O SINDFAZENDA protocolou junto à Secretaria de Relações de Trabalho do MGI, ofício nº 011/2024 de 19 de março fazendo a cobrança para o governo quanto à publicação de legislação sobre o reajuste dos benefícios (vale alimentação, per capta saúde e auxílio creche).



Foi destacado que o documento encaminhado pelo Governo às entidades sindicais, trazia a AFIRMATIVA de que os benefícios seriam reajustados, independente do posicionamento das entidades, conforme pode ser verificado no Ofício nº 153993/2023/MGI.



Também vale ressaltar que nesse documento o governo não condiciona os reajustes a nenhuma assinatura de acordo, pois, simplesmente diz que essa posição do governo é a resposta final à pauta unificada apresentada em 2023, portanto, não solicitando nossa anuência ou não.



Em outro ofício, encaminhado pelo FONASEFE, representando as entidades, deixamos claro que concordávamos com o reajuste dos benefícios, mas não aceitávamos não ter reajuste no ano de 2024. Colocamos, nesse mesmo documento, nossas perdas desde o governo Temer, assim como nossa proposta de como essas perdas poderiam ser repostas.



Em nenhum momento as entidades foram contrárias ao reajuste dos benefícios, mas cobramos que também houvesse reposição das perdas salariais, pois não havendo a reposição das perdas salariais implicaria em discriminação com os servidores aposentados, que não recebem vale alimentação, nem auxilio creche, e, na sua maioria, não possuem plano de saúde.



Diante disto, o SINDFAZENDA cobrou do governo que publique portaria contendo os reajustes dos benefícios e continue com a negociação do reajuste salarial.